Escrita Feminina             

 

_________________________________________________________________________________________

 

A linha de pesquisa "Escrita Feminina" objetiva o estudo da produção literária de autoria feminina, a partir dos princípios teóricos fornecidos pela História da Literatura e pela Teoria e Crítica Feministas.

 

Projetos vinculados

_________________________________________________________________________________________

 

DEUSAS IMPERFEITAS OU APENAS MULHERES? A PRODUÇÃO FEMININA AO LONGO DA HISTÓRIA DA ARTE

Responsável: Profa. Dra. Ivana Maria Nicola Lopes

O projeto de pesquisa pretende investigar quem são as artistas mulheres, ao longo da história, que não tiveram acesso, oficialmente, à história da arte. Mulheres sem rosto e sem nome que, em algum momento, fazem sua aparição. Na primeira etapa, duas questões norteiam a pesquisa: por que o silêncio em torno delas, e o que aconteceu para que elas silenciassem. Na segunda etapa, após contextualizar o período e a época das artistas mulheres, três novas questões servirão de base para a reflexão de suas obras: como essas mulheres veem outras mulheres? Elas repetem o mesmo olhar padronizado da época que lhes coube viver? Elas olham diferentes de seus colegas artistas homens?

 

DISCURSOS SOBRE A MATERNIDADE EM TEXTOS DE CLARICE LISPECTOR E LYGIA FAGUNDES TELLES

Responsável: Profa. Dra. Luciana Abreu Jardim

O projeto intitulado 'Discursos sobre a maternidade em textos de Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles' pretende investigar a composição da maternidade em obras tais como “Perto do coração selvagem”'; “A paixão segundo G.H.”; “Água viva” e “A descoberta do mundo”, de Clarice Lispector e, posteriormente, em “A estrutura da bolha de sabão”; “Ciranda de pedra”; “Verão no aquário” e “Durante aquele estranho chá”, escritos de Lygia Fagundes Telles. O ponto original da pesquisa reside na escolha teórica, qual seja, o aporte conceitual proposto por Julia Kristeva no tocante ao tema da maternidade. Segundo Kristeva, no artigo “Stabat Mater”, de “Histoires d’amour” (1983: 326), a cultura ocidental secularizada precisa construir um discurso ou discursos sobre a questão da maternidade, já que o desdobramento dessa reflexão leva a cruciais posições políticas que implicam o que a autora designa por ética do feminino. Nesse sentido, o conjunto da obra de Kristeva, em percursos teóricos e romanescos, traz à tona um conteúdo pouco explorado no campo do pensamento, na medida em que a autora chama a atenção para a possibilidade de produção de sentidos por meio do cruzamento de assuntos que, seguindo a crítica contra a metafísica da presença já denunciada por Jacques Derrida, jamais teriam espaço para serem problematizados. Assim, na esteira da filosofia da desconstrução derridiana (cf. “Gramatologia”) e do pensamento de Hannah Arendt (sobretudo em “A vida do espírito” e em “A condição humana”), este que é retomado por Kristeva em “O gênio feminino”, são tecidos os antecedentes que culminam na necessidade de se pensar em discursos sobre a maternidade. No âmbito nacional, os textos escolhidos de Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles, na minha hipótese de trabalho, fornecem importantes argumentos para fecundos diálogos entre essas autoras, uma vez que são representantes basilares dessa temática.

 

FIGURAÇÕES DO FEMININO: AUTORREPRESENTAÇÕES NO DIÁRIO E NA EPISTOLOGRAFIA DO ÚLTIMO ANO DE FLORBELA ESPANCA

Responsável: Profa. Dra. Michelle Vasconcelos Oliveira do Nascimento

Observando as conexões entre ambos os gêneros autobiográficos produzidos por Florbela em seu último ano de vida (diário e epistolografia), e partindo das investigações recentes sobre tais gêneros, assinalando suas funções e estruturas, objetiva-se investigar as formas de autorrepresentação na obra florbeliana e identificar as representações femininas existentes nesta escrita autobiográfica, delineando seus perfis e destacando os múltiplos sujeitos femininos que se revelam e se desenvolvem nestes escritos e que são importantes para compreender tanto o contexto de produção de sua obra como a condição feminina de sua época.

 

LITERATURA FEMININA E AS ESCRITAS DE SI

Responsável: Profa. Dra. Michelle Vasconcelos Oliveira do Nascimento

O projeto “Literatura feminina e as escritas de si” vai unir as linhas de pesquisa “História, memória e literatura” e “Escrita feminina”, partindo dos estudos de autobiografia de Philippe Lejeune, como “O pacto autobiográfico”, obra pioneira e referência para o gênero, e de autores brasileiros como Eurídice Figueiredo, especialista em autobiografia feminina, Maria Luíza Ritzel Remédios, Margareth Rago, Margaret Bakos, com suas obras sobre memória e escritas autobiográficas femininas, contemplando as produções atuais sobre o tema no Brasil. O projeto pretende desenvolver pesquisa com o estudo de escritas autobiográficas femininas, formando o bolsista para atuação e pesquisa na área, a qual tem crescido nas últimas décadas no Brasil.

 

CARMEN DA SILVA, UMA RIO-GRANDINA PRECURSORA DO FEMINISMO

Responsável: Profa. Dra. Nubia Tourrucôo Jacques Hanciau

O projeto tem por objetivo o resgate e estudo da obra (romance, teatro e crônica) de Carmen da Silva, que será estudada a partir dos pressupostos fornecidos pela teoria e crítica feministas. Página do projeto: http://carmendasilva.com.br/site/php/index.php.